Profissional de gente e gestão: o que faz nas empresas?

O sucesso de uma empresa só é possível quando há investimentos no seu capital humano, fazendo dos processos de recrutamento e seleção um dos maiores desafios para o setor. Tal importância ressignificou a função do gestor de RH, surgindo o…

Por Felipe Baeta

10 minutos de leitura


O sucesso de uma empresa só é possível quando há investimentos no seu capital humano, fazendo dos processos de recrutamento e seleção um dos maiores desafios para o setor. Tal importância ressignificou a função do gestor de RH, surgindo o profissional de gente e gestão.

Até mesmo a nomenclatura vem mudando. O que já chamamos de Departamento Pessoal e Recursos Humanos, hoje, já pode ser encontrado como Departamento de Gente e Gestão. Ficou interessado no assunto? Confira mais explicações sobre essa nova configuração neste artigo que preparei para você.

O profissional e a visão estratégica na liderança de pessoas

Não podemos negar que o profissional de gente e gestão é, de certa forma, o mesmo que cuida dos Recursos Humanos. A diferença está no seu posicionamento e nas políticas da empresa em relação aos seus colaboradores.

Esse novo modelo de gestor mantém o foco em uma atuação totalmente estratégica, usando o capital humano do negócio para atingir objetivos específicos e de uma maneira inovadora. Em síntese, ele maximiza esse fator humano, sem perder a qualidade nos processos operacionais.

Para que isso seja possível, ele deve ser dotado de competências técnicas e comportamentais, sendo a paixão por pessoas e o compromisso com os processos de melhoria contínua as duas habilidades fundamentais.

O que esse profissional faz nas empresas

De modo geral, esses profissionais são responsáveis por realizar tarefas como:

  • recrutamento e seleção;
  • atração e retenção de talentos;
  • treinamento e desenvolvimento;
  • aplicação, interpretação e acompanhamento de indicadores de desempenho;
  • definição de objetivos e metas para o departamento;
  • formação de equipes;
  • integração de novos colaboradores;
  • políticas de saúde;
  • segurança do trabalho.

Essas funções podem ser separadas em dois níveis. No primeiro nível, costumam se posicionar os profissionais que cuidam de questões mais abrangentes relacionadas à liderança de pessoas.

Essas ações costumam ter resultados em longo prazo. Sendo assim, nesse nível, costumam estar os cargos de diretoria e gerência de gente e gestão, cujas principais funções são criar, aprovar e gerenciar as políticas de liderança e outros processos de maior importância e responsabilidade do departamento.

Já no segundo nível, estão aqueles que são responsáveis pelas atividades práticas do setor:

  • recrutadores;
  • treinadores;
  • analistas;
  • assistentes.

Sem esse time de base, não há como os gestores alocados no primeiro nível implementarem e acompanharem os projetos. Por isso, esses profissionais devem ser igualmente valorizados e estimulados, contemplados por todas as políticas.

Dicas para ser um bom profissional de gente e gestão

Como você pôde perceber, um bom profissional de gente e gestão deve ter vocação para a função. É o conjunto de competências técnicas e comportamentais que vai guiar a qualidade do seu trabalho e contribuir, de fato, para que a empresa desenvolva o seu capital humano e conquiste os resultados esperados.

Mas quais serão as competências e características ideais? Separamos algumas delas para você. Veja nossas dicas.

Conhecimento técnico

Quando falamos em conhecimento técnico, queremos dizer que é preciso ir além da vontade de transformar pessoas e agir de modo estratégico. Saber como gerenciar os processos relacionados a recrutamento e seleção, avaliação de desempenho, plano de carreira e programas de benefícios é fundamental para atingir os resultados esperados a partir dos projetos elaborados para alcançar a excelência na gestão de pessoas.

Aqui, não é necessário formação acadêmica. No entanto, a experiência e a busca por conhecimento por meio de livros, eventos, revistas e cursos de atualização é fundamental.

Relacionamento interpessoal

Se estamos falando em gerir pessoas, a boa convivência é item básico para que seja possível criar um ambiente de trabalho agradável. O relacionamento interpessoal é trivial para conquistar equipes engajadas e motivadas.

O profissional de gente e gestão deve ser uma referência em postura e ética. O departamento é uma grande vitrine e quem atua nele serve de exemplo para os colaboradores.

A equipe de gente e gestão deve assumir o papel de espelho e se posicionar exatamente como deseja que o ativo humano se comporte dentro da organização.

Compromisso com os resultados

Essa não é uma dica exclusiva ao departamento de gente e gestão, mas é sempre bom lembrar que o comodismo deve passar longe de quem deseja ser um bom profissional. Especialmente, em um departamento que, como vimos acima, é um espelho para os colaboradores.

Quem trabalha com gente e gestão deve estar integralmente focado nos resultados esperados a partir da atuação dos colaboradores. Por isso, deve buscar por melhorias constantemente, coisa que só é possível se estiver por dentro das mudanças relacionadas ao mundo corporativo.

O mercado de trabalho muda o tempo todo. Novas ferramentas, novos processos e talentos cada vez mais capacitados invadem as empresas com tanta rapidez que, se não houver um acompanhamento eficiente, o negócio pode ser engolido pela concorrência em um piscar de olhos.

Capacidade de inovar

De nada adianta estar atualizado sobre as novas diretrizes do mercado, se a empresa não tiver interesse ou capacidade para absorver essas ideias e implementar as novidades. Só o conjunto entre conhecimento técnico, colaboradores satisfeitos com a empresa e processos inovadores é capaz de atingir os resultados esperados e até mesmo superar expectativas.

Por isso, é fundamental não poupar esforços e investimentos em ferramentas que possam automatizar e otimizar as tarefas relacionadas aos processos de recrutamento e seleção e outras atividades pertinentes ao departamento pessoal. Como exemplo, podemos citar:

  • People Analytics;
  • folha de pagamento online;
  • treinamento e educação corporativa EAD.

Inteligência emocional

Em síntese, a inteligência emocional é a capacidade do indivíduo de lidar com os próprios sentimentos, ao mesmo tempo em que compreende o que é sentido pelo próximo. Pode ser considerado um dos pilares para ser um bom profissional de gente e gestão.

Lidar com pessoas não é tarefa fácil, ainda mais para alguém que não tem habilidade para compreender desejos, demandas, preocupações e aflições do próximo. Um bom gestor deve, acima de tudo, ser capaz de entender as dores dos seus colaboradores.

Faz parte da rotina dar e receber feedback dos funcionários. A tarefa é de suma importância para o desenvolvimento das equipes. Logo precisa ser desempenhada da maneira correta: com profissionalismo e bom senso.

O departamento de gente e gestão é o diferencial competitivo que faltava para fazer o negócio decolar. Invista nessa nova configuração do RH e tenha uma equipe satisfeita e produtiva.

Mostre aos seus contatos que você está atualizado sobre a nova realidade do mercado. Compartilhe este artigo nas redes sociais.